Principais dores nas corridas

Quando estamos correndo, podemos dar até 200 passos por minuto.

Cada passo faz um impacto que envia uma forte energia através de seus pés, tornozelos, pernas, panturrilhas e joelhos. Essa força é transmitida também aos quadris e até mesmo para o abdômen e região lombar. Eventualmente, todos esses impactos irão inevitavelmente causar um pouco de dor.

Para alguns corredores profissionais, a dor é inevitável; já os corredores recreacionais têm problemas para lidar com a dor, pois ainda não estão acostumados nem sabem identificar a gravidade das mesmas.

Não se pode simplesmente “ignorar” a dor, no entanto, a chave para administrá-la é saber a diferença entre uma dor temporária, dor grave o suficiente para empregar gelo e compressão, e algo que requer uma visita ao ortopedista.

Confira cinco das dez principais causas mais comuns de dor :

1 - Acúmulo de ácido lático

Ao contrário da crença popular, o ácido láctico não é um produto residual que "acumula" nos músculos durante o exercício vigoroso, levando à fadiga, rigidez ,e dores musculares.

A dor vem de uma substância chamada lactato, que está envolvida na função muscular. Ao invés de um produto residual, o lactato é um passo importante na produção da energia necessária para alimentar o músculo. A degradação da glicose para produzir energia cria um ácido chamado piruvato, que eventualmente se transforma em lactato, que, em sua maioria, é convertido em energia. O restante se transforma em glicogênio, outro elemento-chave no processo de construção muscular.

Os problemas ocorrem quando o atleta se exercita muito e produz muito piruvato (e lactato) para o corpo converter rápido o suficiente. Ninguém está inteiramente certo de como isso faz com que a fadiga muscular ocorra durante o exercício, embora uma teoria comum sugira que os íons de hidrogênio liberados na corrente sanguínea aumentem a acidez, levando à fadiga.

Uma coisa nós sabemos: o lactato não causa dor pós-exercício.

Isso vem da lesão muscular que, naturalmente, resulta de exercícios intensos.

Neste caso, é só reduzir a planilha de treinos até conseguir ganhar mais resistência e condicionamento.

2- Dor muscular tardia

A dor que o atleta costuma sentir no dia seguinte de uma atividade física vem de lesões microscópicas na fibra muscular.

A reconstrução da lesão muscular cria músculos maiores e mais fortes. Em outras palavras, a dor não é apenas normal, é necessária.

Por vezes, no entanto, a dor parece especialmente grave e dura dias.

Isso provavelmente é dor muscular tardia (DMT). Isso pode ser bastante desconfortável, mas não é um problema grave.

É causada pelos mesmos fatores como a dor normal, só que mais intensa.

Isso geralmente acontece quando realiza-se novos exercícios de intensidade relativamente alta, o que tende a abater iniciantes.

Os músculos constroem uma resistência à dor muscular tardia com várias sessões e exercícios.

Corredores iniciantes que não suportam a DMT após um ou dois dias podem tentar algumas massagens ou exercícios leves.

Alguns corredores sugerem apenas correr um pouco mais, o que pode suprimir o desconforto e ajudar a construir a resistência dos músculos mais rapidamente.

3- Dor na sola do pé

A fascite plantar é uma condição que muitas vezes associamos à meia-idade, mas em alguns casos, certos exercícios - como a corrida - podem levar a essa dor no calcanhar, que se torna debilitante, muito cedo na vida de alguns atletas.

A condição geralmente mostra-se como uma grave, forte dor no calcanhar.

É mais forte logo pela na manhã, mas melhora ao longo do dia.

Passar longos períodos em pé ou sentado também pode agravá-la.

A causa subjacente é muito estresse/ impacto sobre o tecido conjuntivo (e possivelmente nos músculos flexores), que se estende desde o calcanhar na parte inferior do seu pé até os dedos.

A cirurgia pode corrigí-la, mas a maioria dos corredores pode evitar ou corrigir o problema usando sapatos e palmilhas.

A curto prazo, devem descansar e elevar o pé e a panturrilha.

4 - Canelite

Dores nas canelas descrevem uma condição dolorosa em que tanto o osso da canela quanto os tecidos conjuntivos ao lado sofrem danos causados pelo impacto.

Se a dor afeta apenas o osso e é nítida e grave em um determinado local, o problema é provavelmente uma fratura por estresse da tíbia.

Os músculos podem estar inflamados e sendo pressionados contra a bainha muscular.

Alguns especialistas em medicina esportiva suspeitam de que o tecido muscular e o conjuntivo da bainha possam lentamente se lesionar ou até mesmo avulsionar da tíbia.

Em qualquer caso, os danos nos tecidos podem causar dor severa o suficiente para manter até mesmo os corredores mais dedicados fora dos treinos por meses.

Resolver dores nas canelas requer repouso, juntamente com gelo e elevação para reduzir a inflamação.

Alongamento das panturrilhas, músculos e ligamentos da canela também ajudam.

Corredores com sobrepeso que sintam dores nas canelas podem tentar perder alguns quilos para aliviar o problema.

5- Bolhas

As bolhas são a perdição dos corredores e de quem caminha.

Elas se formam, inicialmente, desenvolvendo uma vermelhidão local na área de atrito, que acabará por se tornar uma bolha.

Se o atleta não parar para cuidar do problema, em seguida ela irá se romper e a pele macia debaixo dela ficará exposta.

Essa irritação da pele pode ser extremamente dolorosa, dificultando a corrida.

A melhor maneira de evitar bolhas é ter sapatos que se ajustem adequadamente, permitindo que sobre cerca de um polegar de espaço extra na caixa anterior dos dedos dos pés.

Usar tênis novos antes de começar a treinar ajuda a “amaciar”.

Às vezes, uma bolha começa a se formar, não importa que tipo de sapatos que você está vestindo.

A solução é proteger a área de formação de bolhas com qualquer tipo de barreira que evite a pressão local.

Também é possível reduzir o atrito com vaselina ou pomadas para os pés.

Depois de ter uma bolha, perfure com uma agulha estéril, mantenha o local limpo e coberto.

Um pouco de pomada antibacteriana deve ajudar o processo de cicatrização.

Se não melhorar, procure um médico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *