O Uso da Esteira no Treinamento de Corrida

Vivendo no mundo dos corredores e seus adeptos, é comum perceber vários atletas fazendo uso da esteira ergométrica em seus treinamentos de corrida.

A esteira ergométrica, apesar de simular a corrida num ambiente fechado (indoor), difere bastante da biomecânica do ato de correr num percurso livre.

Para compreendermos melhor, é só pensar, que a força que fazemos na esteira para correr, por ter que vencer uma força contrária (que te empurra para trás) , é muito maior do que simplesmente correr livremente.

Apesar disso, dessas diferenças do ponto de vista biomecânico, acredito que a esteira tem grande utilidade dentro de um planejamento de treinamento de corrida.

Cito a seguir, alguns pontos favoráveis e desfavoráveis do uso da esteira, dentro do que acredito ser ideal para um corredor.

Pontos Favoráveis

- permite um treinamento em qualquer condição climática, principalmente quando encontramos situações desfavoráveis , tais como muito frio, chuva, etc.

- com seu grande uso, a maioria das esteiras encontradas, tem recursos modernos, possibilitando simularmos algumas dificuldades, tais como ( variações de velocidade, inclinações diferentes, etc )

- por podermos trabalhar com seus recursos, permite uma apuração melhor de dados coletados, dando uma maior fidedignidade em registros feitos em mesmas circunstâncias de épocas diferentes.

- possibilita uma visualização da biomecânica de correr por parte do corredor, favorecendo a prática de exercícios educativos na frente de um espelho

- abre um leque de possibilidades de treinamentos tais como treino de ritmo, força, velocidade, fartlek , etc.

Pontos Desfavoráveis

- o treinamento na esteira tem maior impacto nas articulações. Desse modo, pessoas com sobrepeso deveriam evitar o uso freqüente da mesma, principalmente em ritmo com intensidades moderadas e fortes.

- com o decorrer do tempo, o treino em esteira se torna monótono. A aderência de pessoas que correm em lugares abertos, é bem mais significativa quando comparadas com as que correm em esteira.

- um corredor de esteira, não enfrenta obstáculos naturais, tais como pisos diferentes, vento , sol, chuva. Dessa forma, quando se depara com os mesmos, seu organismo esta desacostumado a enfrentar tais situações com equilíbrio orgânico.

- a corrida na esteira exige uma maior concentração, senão corre-se o risco de se machucar ao cair da mesma. Com isso, o lado "terapêutico e zen " da corrida confortável, muitas vezes fica em segundo plano.

- treinamento na esteira não possibilita grande sociabilização, por sempre estar fixo no mesmo lugar, encontrar as mesmas pessoas, os mesmos costumes. Numa corrida ao ar livre, muitas coisas acontece aos olhos do corredor.

- é mais difícil a transferência da especificidade da corrida, ou seja geralmente encontramos um corredor de esteira ter mais dificuldades na rua, do que um corredor de rua ter na esteira. Quanto mais se aproximamos do gesto natural de correr, melhor será o desempenho.

Com esses exemplos, quis mostrar para vocês que o bom senso na hora certa, faz o diferencial.

Temos sempre que valorizar o objetivo do corredor, seu modo de correr, sua disponibilidade de tempo, sua motivação.

Usar ou não a esteira na prática da corrida, deverá sempre ser questionado levando em considerações todos esses aspectos.

Atualmente priorizo aos meus alunos e atletas mais o treinamento de corrida ao ar livre do que em esteira.

Uso a esteira em treinos de avaliação de velocidade e F.C. , em treinos de ritmo (onde a velocidade constante para uma determinada distância é relevante), em treinos de força (caminhadas na esteira inclinada), e em rodagens quando somos forçados pelas circustâncias de falta de tempo ou dificuldades do clima.

Texto escrito pelo Técnico Luiz Fernando Bernardi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *