Dores Musculares Tardia

ENTENDA O QUE É …

Um dos quadros mais comuns para os corredores e praticantes de atividades físicas é amanhecer dolorido no dia seguinte de um treino mais forte ou uma prova disputada no dia anterior.

Durante muito tempo, esse quadro foi interpretado de forma inadequada.

Como é de conhecimento de todos, a atividade física mais intensa causa acúmulo de ácido láctico nos músculos e este provoca a dor.

Este fato passou a ser interpretado como a causa da dor e do desconforto muscular que aparecem como uma manifestação tardia dos efeitos do exercício.

A verdade é que o ácido láctico acumulado nos músculos é logo removido, sendo metabolizado em poucas horas após o término da atividade. Portanto, o que provoca a dor do dia seguinte ?

Quando uma atividade mais intensa é realizada, seja esportiva, recreacional ou mesmo laboral, os músculos sofrem o que chamamos de micro-traumas, que são lesões muito pequenas da estrutura muscular que ocorrem de forma difusa nos grupos musculares mais solicitados.

A resposta dos músculos é reparar o dano sofrido, sendo este inclusive o princípio do mecanismo de adaptação ao estímulo do exercício. Em outras palavras os músculos sofrem um dano para depois se tornarem mais fortes. Trata-se, portanto, de um processo fisiológico que podemos considerar natural.

O que ocorre é que esta reparação do dano desencadeia um processo inflamatório cuja magnitude depende da intensidade do exercício realizado.

O processo inflamatório tem uma evolução gradual, atingindo seu ápice entre 24 e 48 horas após o início.

A inflamação é sempre acompanhada de edema e da liberação de substâncias químicas que são os agentes responsáveis pela dor que vai aparecendo de forma gradual tendo seu momento mais intenso como uma manifestação tardia.

Esta característica denominou o quadro de Dor Muscular de Início Tardio (DMIT) ou dor do dia seguinte.

Como tratar ou evitar as dores musculares

Podemos dizer que quando uma atividade muito intensa é realizada, a dor do dia seguinte é praticamente inevitável, na medida em que ela caracteriza o processo de adaptação dos músculos.

O que certamente se pode ou deve fazer é adequar a intensidade do exercício para evitar um dano de maior magnitude.

A aplicação de gelo imediatamente após é também recomendada, evitando a formação de um edema mais intenso.

No dia seguinte, não devemos pensar em “remover ácido láctico” para atenuar a dor.

Não existe ácido láctico para ser removido.

Os músculos doloridos devem ser poupados de atividades mais intensas para que o processo de reparação ocorra naturalmente.

Em casos mais sérios, quando o processo inflamatório provoca limitação funcional, pode-se recorrer a anti-inflamatórios sob indicação médica.

 Fonte : Texto escrito pelo fisiologista Turíbio Leite de Barros

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.