A travessia é tão importante quanto a chegada

O primeiro amor, o primeiro emprego, o primeiro beijo, a primeira casa, o primeiro cliente.

Todos esses fatos ficam guardados na memória porque são carregados de emoção.

Por outro lado, fracassos, mágoas, medos e traumas também imprimem suas marcas.

Boas ou más lembranças que fazem parte de nosso acervo pessoal podem ser consultadas eventualmente como um velho álbum de fotografias, ou influenciar decisivamente em nossa história atual.

O grande risco é se tornarem uma camisa-de-força que nos prende ao passado.

Nesse caso, insistimos em repetir o que deu certo e fugir do que saiu errado.

Nossas apostas recaem em fórmulas desgastadas, em rituais que nos fazem desperdiçar tempo precioso…

Por isso, quem pretende criar uma próxima chance na vida não pode ficar acorrentado ao passado.

Ao contrário, seus olhos devem voltar-se para o futuro.

Mas aqui vale um alerta: tão importante quanto a chegada é a travessia.

O caminho a percorrer não pode ser negligenciado em razão da valorização excessiva dos objetivos, do porto de chegada…

Portanto, é preciso planejar o avanço e trabalhar duramente para evitar o maior perigo: naufragar durante a travessia…

Para que isso não aconteça, uma vez definido o ponto aonde se quer chegar, o passo seguinte é decidir como fazer isso…

A travessia envolve uma palavra-chave: estratégia…

E o que é essa tal estratégia ?

É o modo como as pessoas, empresas e comunidades fazem a travessia para o próximo estágio… para a busca da próxima chance; afinal seu sucesso depende de duas variáveis importantes: a travessia e o porto de chegada.

E lembre-se: não adianta ter um belo sonho e executá-lo mal, nem executar bem o sonho errado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.